sábado, abril 02, 2011



PREPARANDO A CAMINHADA

Hoje levantei-me cedo.
Quis andar um pouco e respirar o ar puro da fajã.
Deslumbrei-me, como acontece a cada ano,
Com despontar dos tenros abrolhos das videiras.
Fui despedir-me do canto familiar dos pássaros
E do embalo sonoro das ondas do oceano.

De hoje a oito dias, em caminhada de fé e oração,
Ao percorrer os santos caminhos desta ilha verde,
Intensamente perfumados de hortelã e incenso,
Terei a oportunidade de me reencontrar comigo.

Com a barba crescida de romeiro
Serei apenas um entre os irmãos.
No rasgar de todas as máscaras
Restará a fragilidade dum homem
Que procura Deus.


Relva, 2011-04-02

7 comentários:

Multiolhares disse...

quando se procura Deus Ele esta em nós nessa caminhada de procura interior,que o teu caminhar te dê a tranquilidade que procuras
bjs

Eduardo Aleixo disse...

Amigo, comunguei as tuas palavras, com as quais me identifico e imagino a tua paz interior à medida que as máscaras vão caindo ao longo da jornada em que meditas junto da Mãe-Terra-Natureza.Um abraço.

Graça Pires disse...

Deslumbrar-se com a Natureza e com ela sentir o equilíbrio e a paz...
Gostei do poema. Um beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

essa caminhada dos romeiros é mesmo uma caminhada de fé e sacrificio.

que tudo corra bem nessa bela ilha verde.

boa caminhada!

beij

Porfírio disse...

Trata-se mesmo de uma caminhada de fé e sacrifício? É que desconhecia esse teu lado místico/religioso ...
Desejo-te um bom reencontro contigo e com a natureza e se for o caso de te encontrares com o teu Deus, pede-lhe que ilumine o espírito dos que desenfreadamente dominam o mundo.
Quanto ao poema; bonito como sempre

tecas disse...

Olá, poeta Anível Raposo!
Nessa caminhada de fé, ( acho que se refere ao Senhor dos Passos), estou enganada?
«De hoje a oito dias, em caminhada de fé e oração,
Ao percorrer os santos caminhos desta ilha verde,
Intensamente perfumados de hortelã e incenso,
Terei a oportunidade de me reencontrar comigo.»
Ou será uma caminhada pela Mãe Natureza?
Se for na procissão do Senhor dos Passos, quero-lhe dizer, que tenho excelentes recordações de fé das gentes dos Açores.
Passei um mês em Ponta Delgada, Ilha de S. Miguel, e fiquei deslumbrada, com a ornamentação em todas as garagens em homenagem a Jesus. Escrevi um artigo sobre a semana da paixão para o Jornal da Maia,inspirado na fé das gentes dos Açores, onde entreguei as fotos aí tiradas.
Adorei o seu poema.
Parabéns e até...

Aníbal Raposo disse...

É mesmo uma caminhada de fé e de sacrifício. A minha sétima caminhada. Cheguei cansado dos 328 Km percorridos em 8 dias mas com o coração cheio de alegria e com muita vontade viver. Nas romarias aprende-se o valor da solidariedade entre os irmãos no cair de todas as máscaras.