sexta-feira, janeiro 13, 2012













AH MEU PAÍS POBRE E TRISTE
(Glosando versos da Isabel Fidalgo)

Ah meu país pobre e triste
Definhando à beira-mar
Com os teus filhos mais novos
Convidados a emigrar


Eis que os deitam borda fora
Que os não querem a sonhar
Inventando novas barcas 
Pr'a tu poderes navegar


Tivesses Homens d'antanho 
Para as barcas comandar
Em vez de ratos de esgoto 
Que chiam no teu sangrar 


Ah meu país pobre e triste
Tu um dia hás de acordar
Ao som dos homens da flauta
Levando os ratos ao mar


Já vislumbro as altas ondas
Que se hão de levantar
Não há mal que sempre dure
Meu país da beira-mar...

Aníbal Raposo
Ponta Delgada, 2012-01-13 

1 comentário:

  1. Gostei da sua poesia...grata pela sua visita...vim com algum atraso...mas cá estou ...e quem sabe se virei mais vezes... Tenha uma boa noite!

    P.N.

    ResponderEliminar