sexta-feira, janeiro 30, 2015























DO SAGRADO E DO IMPREVISÍVEL

Ah, esses loucos pássaros doirados
Que se empoleiram em arcos
Criadores de sons
Imprevisíveis.

Juro que já os vi descer dos céus
No meio de nenhures, a voar em círculos.

Rebentaram rios caudalosos nos meus olhos
Quando poisaram, docemente, nos bordões dos penitentes.

Era a festa da paz e da harmonia na natureza
A comunhão das aves com as almas simples.

Relva 2015-01-30
Aníbal Raposo

Quadro de Roberto Chichorro

1 comentário:

Graça Pires disse...

"Juro que já os vi descer dos céus
No meio de nenhures, a voar em círculos." Eu também juro...
Belíssimo, amigo.
Beijo.

Gosto de te reinventar em cada esquina do meu pensamento. De te pintar com as cores da tua luz. A que os prismas da ...