quinta-feira, janeiro 15, 2015



















PINTANDO SÓIS

Tempos de bruma. Janeiro a passar
Das marcas. Neste frio fundo os dias.
Tento incendiar risos e adivinhar
Raios de sol. A luz contra invernias.

Rostos de cinza, de auras tão sombrias
Passam por mim num apressado andar
Como quem implora a vista do lar,
O calor do par, filhos, alegrias.

Nestas correrias, nesta enorme pressa
Penso sempre em ti, como uma promessa.
Pedras preciosas pedem joalheiros.                          

Para que o nosso amor nunca esmoreça
E perca o brilho. É bom que eu não me esqueça
De pintar sóis por entre nevoeiros.


Relva, 2015-01-15
Aníbal Raposo
Foto de Christine Ellger

2 comentários:

  1. Muito sensível o que você diz no último terceto...

    Abraços do Pedra

    www.pedradosertao.blogspot.com.br

    ResponderEliminar
  2. Ah, o mergulho. Eu gosto da imensidão das profundezas - olhos fechados, peito aberto.
    Bjs

    ResponderEliminar