segunda-feira, abril 13, 2015





















A CHAVE

Vezes sem conta
arrastamos penosamente as soluções
quando bastava vasculhar um pouco
o enorme fardo da memória.

Relva, 2015-04-14
Aníbal Raposo

1 comentário:

José Carlos Brandão disse...

"Trouxeste a chave?", pergunta o poeta. Como desvendar a memória? Toda "madeleine" é insuficiente.
Abraços.

Gosto de te reinventar em cada esquina do meu pensamento. De te pintar com as cores da tua luz. A que os prismas da ...