domingo, dezembro 19, 2004




EPITÁFIO

Aqui repousa das estrelas a poeira
Organizada agora e só doutra maneira...

Aníbal Raposo
2004

quarta-feira, dezembro 15, 2004





RAIO DE LUAR

Oh raiozinho de luar
Quem dera prender-te
Neste meu cantar

Doce toada de vento
Quebras as amarras
Do meu pensamento

Por ti, até ia ao Japão
Fonte de água clara
Minha inspiração

Mas como não posso ir
Deixo-te ao partir
Mas uma canção


Agosto 1991
Aníbal Raposo

segunda-feira, dezembro 13, 2004


Two eyed woman - Picasso

O MEU CANTO

Teu corpo meu amor
É terra sã
Tens lábios de romã

O teu riso de água fresca
Me sacia
O teu cheiro é maresia

É sempre de araçá
O meu desejo
A amora é dar-te um beijo

Teus olhos céu azul
Ardem de lume
De hortelã teu perfume

Teus seios são colinas
Tão suaves
O andar voo das aves

O teu jeito tão gentil
Flor de agapanto
Dá fruto neste canto


Aníbal Raposo
Janeiro de 2001

quarta-feira, dezembro 01, 2004

















MARÉ E NATIVIDADE

Maré:

O meu amor é como o mar
Revolto
Sendo tu o porto
Onde me abrigo após cada tormenta
Nessa lida, lenta
Que começa ao despertar

Às vezes
(Não te vou mentir...)
Eu sinto a febre de partir
Mas ao pensar em ti
Ao ver a luz do teu olhar
Não sei porquê
Acabo por ficar


Natividade:

O meu amor é um abandono
Tão suave como a luz do outono
Mistura de tristeza e de alegria
Tu és p' ra mim
Assim como o romper dum novo dia

Às vezes, só por um instante
Pressinto-te distante
Mas logo um beijo doce
Um breve abraço
Dois segredos
Afastam para longe esses meus medos


Aníbal Raposo
1988
Tema incluído na série da RTP "O barco e o sonho" de José Medeiros