segunda-feira, abril 24, 2017




















25 DE ABRIL

Não conheço
rio de esperança
Que não desague
num mar de Liberdade.


Relva, 2017-04-24
Aníbal Raposo

domingo, abril 23, 2017

















RIBEIRAS DE ENGENHO

Quando te anunciaste, meu amor,
numa curva assassina que o tempo me urdiu,
as palavras vergavam-me os ombros 
no deserto da alma.

A aridez imperava na terra onde germinam os sonhos
e as madrugadas teimavam em não libertar o sol
feito cativo das trevas do uso.

Em cima do cais do desejo podiam escutar-se
os gemidos de barcos decrépitos
a sonhar tempestades.

Vieste para me fazeres entender
que todas as ribeiras de engenho
buscam ansiosas
os abraços estreitos
das águas do mar.


Relva, 2017-04-23
Aníbal Raposo

sexta-feira, abril 21, 2017





















DA GUERRA
De querras nada entendo
e não quero ser adulto para o entender.

Carrego nas minhas costas
o meu amado irmão
e o peso do desgosto.

Morto pela vossas
bombas, prenhes de razão.

A minha dor contém
a dor do universo.

De quantas vidas mais
precisais para crescer?

Relva, 2017-04-21
Aníbal Raposo
foto de Joe O'Donnel

quinta-feira, abril 13, 2017














DO BEIJO

Gosto de te beijar
a alma, quando
o alvo a atingir 
fica nos céus.

Andemos devagar
que lá chegando
o verde há de luzir
nos olhos meus.

Relva, 2017-04-13
Aníbal Raposo