sexta-feira, novembro 11, 2016














SEDE DE APRENDER

Sempre que ouço um: não sei, explica-me,
mergulho nos olhos de quem o diz e penso:
- na singeleza, condição dos sábios;
- no azul intenso do mar oceano de aprender.

Relva, 2016-11-11
Aníbal Raposo

terça-feira, novembro 01, 2016




















1 DE NOVEMBRO

Em caso de desaparecimento
Procurem por mim
Na confluência
Da luz.

Aníbal Raposo
2016-11-01











RITUAIS

Deitei flores na campa
dos que se afastaram,
como vi fazer.

Depois tive a graça
de abraçar os vivos.
Resta agradecer.

Relva, 2016-11-01
Aníbal Raposo

segunda-feira, outubro 31, 2016















AUSÊNCIAS

Tenho tantas saudades
De vós, como de mim,
Naquilo que já fui.

E mais saudades tenho
De mim, como de vós,
Em tudo o que serei.


(aos familiares que partiram)

Relva, 2016-10-31
Aníbal Raposo

segunda-feira, outubro 24, 2016












DO RUÍDO
Gosto de falar baixo
com elevação.

Pelo que é sabido
em cada conversa
os decibéis variam.

Na razão inversa
da nossa razão.

Relva, 2016-10-14
Aníbal Raposo

















EM CADA COISA SIMPLES TE REVEJO

Recordo muito bem quando apareceste
Estava sem rumo, perdido no deserto
E foi tão pouco e tanto o que fizeste
Que já não sei viver sem te ter perto

Não custa confessar, de ti preciso
Porque tu és a porta que franqueia
A alegria que abre o meu sorriso
A chispa que os meus olhos incendeia

Paz e harmonia, a luz do meu sol pôr
Nota feliz na pauta do desejo
E é por seres assim, oh meu amor,
Que em cada coisa simples te revejo

Relva, 2016-10-22
Aníbal Raposo

quinta-feira, setembro 08, 2016















DA POESIA

Verso meu, mesmo singelo,
Poder ser, saindo ao rubro,
O palco onde me revelo
O covil onde me encubro.

Relva, 2016-09-08
Aníbal Raposo

quarta-feira, setembro 07, 2016














DO DINHEIRO

Do dinheiro ser beato
É coisa de pouco siso
Um homem que é sensato
Só possui o que é preciso.

Relva, 2016-09-07
Aníbal Raposo










DA MORTE

Eu que estive de partida
Vou dizer-te desta sorte:
Deves ter medo da vida
Não tenhas medo da morte.

Relva, 2016-09-07
Aníbal Raposo

terça-feira, setembro 06, 2016














DO BELO
Cada qual é que valida
O que é beleza. Porquê?
Dizem que ela está contida
Nos olhos de quem a vê.

Relva, 2016-09-06
Aníbal Raposo

segunda-feira, setembro 05, 2016



SAÚDE E FELICIDADE
Saúde e felicidade
São filhas que a gente adora
Só delas temos saudade
Quando partem, vão embora.

Relva, 2016-09-05
Aníbal Raposo










DO ERRO

Todo aquele que viveu
Falhou na sua jornada. 
Quem erros não cometeu
É porque nunca fez nada.

Relva, 2016-09-05
Aníbal Raposo

quarta-feira, agosto 10, 2016




DA TUA GÉNESE

Pedi a Deus a mercê de te criar
Pouco exigi e obtive o impossível.
Bem que podias ser terra, mas és mar.
Não mudes! Gosto de ti imprevisível.

Relva, 2016-08-10
Aníbal Raposo












FÉRIAS 


Estou de férias Deus meu! Alegremente,
rejubile comigo o mundo inteiro.
Vou celebrar, feliz e finalmente,
o devido alvoroço do guerreiro.



Relva, 2016-08-10
Aníbal Raposo

domingo, julho 17, 2016

















SER ILHÉU
Ser ilhéu é viver só
No meio de muita gente
De nós ninguém tenha dó
Temos o mar pela frente…
É viver a liberdade
Em constante despedida
Já ter no lenço a Saudade
Antes de vir a partida
Saber cantar a folia
Saber benzer o quebranto
E dar vivas de alegria
Nas Festas do Espírito Santo
Também descer às fajãs
Beber da noite o luar
Apreciar as manhãs
E ouvir os búzios do mar
Não ter certezas nenhumas
Numa terra em convulsões
Acordar por entre as brumas
E adormecer nos vulcões
Seja qual for o momento
Ter calma, sermos serenos
Olhar bem o firmamento
E ver que somos pequenos
É pôr o sonho na mira
Estar em paz, mesmo na guerra
Saber tanger uma Lira
Numa viola da terra

Aníbal Raposo
2012-08-27

sexta-feira, julho 08, 2016











EU GOSTO DE ANDAR POR CÁ
Não há maior emoção
Do que amar e ser amado
Amigos do coração
Saúde e muito obrigado.
Já descanso no meu ninho
Deram-me alta, já está.
Só pelo vosso carinho
Vale a pena andar por cá.
E ganha sabedoria
Quem esteve do outro lado
Sabe bem que cada dia
Deve ser aproveitado.

Relva, 2016-07-08
Aníbal Raposo

sábado, julho 02, 2016


















TEMPO INSTÁVEL

Gosto de acordar assim
com tempo instável:
Uma chuva de beijos brotando dos teus lábios;
Um sol radioso a sorrir na tua face.

Relva, 2016-07-02
Aníbal Raposo

quinta-feira, junho 30, 2016















PORTUGAL - POLÓNIA

Estava toda uma nação
Com vontade de vencer
Aguenta aí coração,
Isto é muito padecer...

Relva 2016-06-30
Aníbal Raposo












PEDRAS NO CAMINHO

Mais uma etapa cumprida
Mais um medo ultrapassado
Por me encheres de luz a vida 
Meus Deus, o meu obrigado.
Relva, 2016-06-30
Aníbal Raposo


S. JOÃO DO PORTO

Oh meu rico S. João
Meu santinho predileto
Sempre no meu coração
Com o Porto do meu afeto.

Relva, 2016-06-24
Aníbal Raposo

segunda-feira, junho 20, 2016












DO JOGO

Há duas ocasiões
Em que não deves jogar:
Quando não tens condições
Ou quando as tens a sobrar.

(A partir dum pensamento de Mark Twain)

quarta-feira, junho 15, 2016

















TU ÉS AQUILO QUE ESPALHAS

Honras, dinheiro e mais tralhas
Com tudo isto te besuntas.
Não sabes que és o que espalhas
E não aquilo que juntas?

Relva, 2016-06-15
Aníbal Raposo

terça-feira, maio 17, 2016
















AÇORES

Acima do que é certo,
um infinito azul
a descobrir
e um navio.

O eterno
desafio.

Relva, 2016-05-17
Aníbal Raposo

(foto do meu amigo Rui Coutinho)

sexta-feira, maio 13, 2016

















LIBERTAÇÃO

Cinco pegadas soltas,
só cinco,
na areia.

Para trás a fronteira
de arame farpado,
uma teia.

Uma ânsia da vida
que é breve,
escasseia.

Uma treva de noite
feita claridade.
Uma lua,
cheia.

Relva, 2016-05-13
Aníbal Raposo

















    DA CRIATIVIDADE

    Se queres manter a tua mente
    aberta, em modo criação,
    não tenhas medo.

    Quem tem medo,
    não cria:

    - ou mia
    ou compra
    um cão.

    Relva, 2016-05-13
    Aníbal Raposo






















SOMBRAS E REALIDADES

Quantas vezes
as sombras visíveis
suplantam as dimensões
da realidade?

Relva, 2016-05-13
Aníbal Raposo

foto de Manolo Mantero

sábado, maio 07, 2016

O ETERNO RETORNO

Sempre
que quero
nascer de novo.

É simples:
volto ao ovo.

Relva, 2016-05-07
Aníbal Raposo

sexta-feira, maio 06, 2016























VIAGEM

Uma lua cheia,
um sonho
e um barco.

É certo
que embarco.

Relva, 2016-05-06
Aníbal Raposo

quinta-feira, maio 05, 2016















ALEGORIA

Quem foi que ligou o projetor de imagens,
instalou a tela mesmo à minha frente,
e baixou a luz no resto da sala?

Quem me acorrentou neste assento suave
para me servir os assuntos certos?

Quem os fez tão gratos perante os meus olhos
e me aprisionou nesta realidade?

Não há sequestrados
que amam que os prende?

Relva, 2016-05-05
Aníbal Raposo

quarta-feira, maio 04, 2016























AMOR À VIDA

Enquanto esvoaçarem
da concha das minhas mãos inquietas
pássaros livres.

E conseguir servir
favos de mel, em melodias suaves,
a corações sensíveis.

Penso ficar.

Quem sabe o que Deus pensa?

Relva, 2015-05-04
Aníbal Raposo

foto de Sophie Delaporte in "A lifetime photography"

domingo, maio 01, 2016























MÃE

Guardo no meu peito
dez sinos de vento.

Bem vistas as coisas
nada mais possuo.

Recordam quem sou
e quem pretendo ser.

São lembranças tuas
minha mãe querida.


Relva, 2016-05-01
Aníbal Raposo



sexta-feira, abril 29, 2016

ECCE HOMO

Sei que amanhã,
quando sair do templo a tua santa imagem,
ecoará o som das roqueiras,
festivo, na falésia.

Por essa altura,
que com as aves me levanto,
já terei louvado e invocado
setenta vezes sete
o teu sagrado nome.

E enxergado, aonde o olhar puser,
o rasgo sublime da tua
mão criadora.

Em cada melro que vier
riscar o azul do céu.

Em cada peixe
que vir saltar no mar.

Em cada flor singela
empenhada em colorir
o belo quadro
desta fajã que ambos
partilhamos.

Amen.


Relva, 2016-04-29
Aníbal Raposo

(na sexta-feira do Senhor Santo Cristo)






















DA SAPIÊNCIA

Claro que posso voar.
Ah, se não posso...

E sei nadar também.
É coisa inata.

Mas há maior conforto
que descansar, serenamente,
tendo a cabeça e os pés enxutos?

Relva, 2016-04-29
Aníbal Raposo

Foto de Allan Borebor

segunda-feira, abril 25, 2016














25 DE ABRIL

E depois da noite escura
rasgou-se a clara madrugada.
Não se encontrava
peito bastante
para entoar o sonho
encurralado.
Um hino
cravejado de alegria
Uma oração espontânea
à Santa Liberdade!

Relva, 2016-04-25
Aníbal Raposo

sexta-feira, abril 22, 2016















TERRA

Um barco curioso
na navegação do teu corpo.

As narinas abertas
à sedução dos teus cheiros.

Em cada fim de semana
a folia dos amantes.

Relva, 2016-04-22
Aníbal Raposo
(no dia da terra)

sábado, abril 16, 2016

















CARA E COROA

Eu tenho um lado negro que esclarece
O meu lado solar do dia a dia.
É o meu flanco insensato, onde se tece
O sal da minha vida, o da alegria.

Colidem seriamente, aqui e além,
Mas fazem sempre as pazes. É espantoso
Como o lado que é escuro entende bem
O que é da claridade, o luminoso.

Opõe-se a maré vaza à maré cheia,
À sombra opõe-se a luz que me encandeia.
Cada moeda tem cara e tem coroa.

Depois de cada noite, um amanhecer.
Assim sou eu e como é bom haver
Dois lados desiguais, uma pessoa.

Relva, 2016-04-16
Aníbal Raposo

Foto de Isidro Vieira

domingo, abril 10, 2016


















O BARCO E A TEMPESTADE
Às vezes, de verdade,
sou um barco singular.
Amo a tempestade.

Relva, 2016-04-10
Aníbal Raposo


Pintura "into the light" de Chris Pointer

sexta-feira, abril 08, 2016
















AMBIÇÕES

Invejo a bebedeira da seta
na vertiginosa busca
do fim, da verdade.

Adoro de viajar
com ela.

Porém, ao fazê-lo,
confesso prudentes receios
de me estampar
no alvo.

Relva, 2016-04-08
Aníbal Raposo

quinta-feira, abril 07, 2016















TEMPO E INDOLÊNCIA

Façam correr
o tempo.

É lento de mais
para os tempos
que tenho.

Relva, 2016-04-07
Aníbal Raposo

quarta-feira, abril 06, 2016























ORAÇÃO

Nos dias que
voam

rezo para ser
pássaro.


Relva, 2016-04-06
Aníbal Raposo

(quadro de Tony Lima)

sexta-feira, abril 01, 2016














1 de abril

Dizes que por mim suspiras
As fraquezas são humanas
Eu adoro ouvir mentiras
Quando "de veras" me enganas.


Relva, 2016-04-01
Aníbal Raposo

quinta-feira, março 31, 2016














DA POESIA
Ser poeta
é enxergar horizontes de emoção
tendo pela frente sobranceiros muros de indiferença.
Relva, 2016-03-31
Aníbal Raposo

quarta-feira, março 30, 2016























POENTE

Assim pressagio ser
o fim dos dias.

Nítida imagem dum velho navio encalhado,
cedendo aos poucos à inevitável erosão do tempo,
num enorme deserto de frívolas banalidades.

Será que alguém recordará as marcas singulares
que as minhas desgastadas sandálias peregrinas
desenharam na impiedosa arena que é a vida?

Pouco me interessa...

Sonhei,
segui um rumo,
e fiz por ser feliz.


Relva 2016-03-30
Aníbal Raposo

quarta-feira, março 23, 2016



















RETRATO

Gosto
de me explicar
assim:

- Alma de criança
que desafia
a gravidade.

- Gato vadio
que deambula
à luz da lua.

Relva, 2016-03-23
Aníbal Raposo

segunda-feira, março 21, 2016



















POESIA

Onde há vida
a poesia é.

A arte do poeta
consiste, simplesmente,
em revelá-la aos mais distraídos.


(No dia mundial da poesia)

Relva, 2016-03-21
Aníbal Raposo

segunda-feira, março 07, 2016

















12.ª ROMARIA

A cabeça e os pés,
na busca ansiosa
do caminho.

À procura de Deus
é que me encontro.

Como sou feliz
sendo ninguém.

Relva 2016-03-07
Aníbal Raposo

domingo, março 06, 2016
















A VISITA

Hoje, não falámos muito.
Para quê amigo? 
Sei que que te faltam forças
para pronunciar palavras
não essenciais.
Mantinhas os olhos cerrados
enquanto respiravas a custo.
O importante era estar ali contigo
compartilhando um silêncio
indulgente para os dois.
Preferiste que me sentasse
na cama ao teu lado.
E apertaste-me as mãos.
Com a voz fraca, referiste
que gostarias de largar
durante o sono.
Disse-te,
para não teres medo,
para procurares a luz.
E falei-te tranquilamente
na paz e no mar de azeite
que encontrei este sábado na fajã.
Quando o teu anjo da guarda chegou
Achámos que era boa hora de eu partir.
Já no corredor do bloco,
soltou-se, incontrolado.
um rio caudaloso
dos meus olhos.

Relva, 2016-03-06
Aníbal Raposo

sexta-feira, março 04, 2016




















ANJAS

As anjas... eu creio nelas!
Umas são moças e belas
outras fadas de pasmar.

As que num mar de emoções,
e num toque especial,
mostram-nos céus de pecar.

As dos riscos do Simões
nas palavras de Quental.

Relva, 2016-03-04
Aníbal Raposo

(desenho do meu amigo Francisco Simões)

quinta-feira, março 03, 2016
















REDES

Sonham-se,
tecem-se arduamente,
e lançam-se para longe.

O que nelas vem,
malgrado o dito,
bastas vezes
não é peixe.

Pois bem,
nem sempre
a carne
é fraca...

Relva, 2016-03-03
Aníbal Raposo

sábado, fevereiro 27, 2016








SOU EU
Aguardo
ansiosamente
pela iminente chegada
dos verdadeiros donos
da fajã.
Já arrumei a casa a alguns.
Obrigações de quem sente
usar o sítio por empréstimo...
Bem sei que para vós,
irmãos alados,
ovo sumido
é ano perdido.
Quem é? Quem é?
Quem é?
Este é um mantra
que deleita os meus ouvidos
desde que sou gente.
Bem-vindos
pois, de novo.
À vossa
e minha casa.

Relva, 2018-02-27
Aníbal Raposo
(Foto de Jorge Blayer Góis)