quinta-feira, maio 31, 2012



















(Dois veleiros a enquadrar a cadeia da cidade)

 A VELA E A GRILHETA

Em mares tão serenos
Na zona da Calheta
Tocam-se os dois extremos
A vela e a grilheta.

Ponta Delgada, 2012-05-31
Aníbal Raposo

sexta-feira, maio 25, 2012



















EM LOUVOR DO DIVINO

Cada vez que um irmão
me dá a beijar
a bandeira do Divino:

Chega aos meus ouvidos,
o canto de folias
seculares;

Acende-se uma fogueira
de luz intensa e viva
no meu peito;

Nasce uma ribeira
de águas mansas
nos meus olhos.


Ponta Delgada, 2012-05-25
Aníbal Raposo

segunda-feira, maio 21, 2012


ROMEU E JULIETA

Ora Julieta, quem sou eu
para entender o leve riso, bem disposto,
e este brilhar de lua cheia no teu rosto?
Por que te oferece flores o teu Romeu?

Ponta Delgada, 2012-05-21
Aníbal Raposo

domingo, maio 20, 2012





















JANELAS

Quando o meu barco navega em mar de escolhos
Há um segredo para a paz, tudo se acalma,
Basta que olhe bem no fundo nos teus olhos
As janelas escancaradas da tua alma.

Aníbal Raposo
Ponta Delgada, 2012-05-20

quarta-feira, maio 02, 2012



















DE QUEM SOU

Sou rapaz e sou poeta
Escrevo como a sonhar
Ando às vezes na sarjeta
Outras no céu a voar.

Aos versos todo me dou 
Sem saber o que me impele
Mas gosto de ser quem sou
Visto bem a minha pele. 

Aníbal Raposo
Ponta Delgada, 2012-05-02