domingo, dezembro 19, 2004




EPITÁFIO

Aqui repousa das estrelas a poeira
Organizada agora e só doutra maneira...

Aníbal Raposo
2004

quarta-feira, dezembro 15, 2004





RAIO DE LUAR

Oh raiozinho de luar
Quem dera prender-te
Neste meu cantar

Doce toada de vento
Quebras as amarras
Do meu pensamento

Por ti, até ia ao Japão
Fonte de água clara
Minha inspiração

Mas como não posso ir
Deixo-te ao partir
Mas uma canção


Agosto 1991
Aníbal Raposo

segunda-feira, dezembro 13, 2004


Two eyed woman - Picasso

O MEU CANTO

Teu corpo meu amor
É terra sã
Tens lábios de romã

O teu riso de água fresca
Me sacia
O teu cheiro é maresia

É sempre de araçá
O meu desejo
A amora é dar-te um beijo

Teus olhos céu azul
Ardem de lume
De hortelã teu perfume

Teus seios são colinas
Tão suaves
O andar voo das aves

O teu jeito tão gentil
Flor de agapanto
Dá fruto neste canto


Aníbal Raposo
Janeiro de 2001

quarta-feira, dezembro 01, 2004


















MARÉ E NATIVIDADE

Maré:

O meu amor é como o mar
Revolto
Sendo tu o porto
Onde me abrigo após cada tormenta
Nessa lida, lenta
Que começa ao despertar

Às vezes
(Não te vou mentir...)
Eu sinto a febre de partir
Mas ao pensar em ti
Ao ver a luz do teu olhar
Não sei porquê
Acabo por ficar


Natividade:

O meu amor é um abandono
Tão suave como a luz do outono
Mistura de tristeza e de alegria
Tu és p' ra mim
Assim como o romper dum novo dia

Às vezes, só por um instante
Pressinto-te distante
Mas logo um beijo doce
Um breve abraço
Dois segredos
Afastam para longe esses meus medos


Aníbal Raposo
1988
Tema incluído na série da RTP "O barco e o sonho" de José Medeiros

sexta-feira, novembro 26, 2004





UM CASO DE POLÍCIA

Ai essa mulher tem
Um jeito que ninguém
Sabe explicar
Um riso tão fatal
Na boca sensual
Uma promessa no olhar
Faz-me saír do sério
Em sonhos de mistério
Perder-me em fantasias
E dar voltas na cama
Direi que ela programa
As minhas alegrias

Essa mulher não tem
Piedade de ninguém
Um olhar terno...
Ela é louca varrida
E faz da minha vida
Um doce inferno
Põe-me a correr mil perigos
Brigar com meus amigos
Calou-me o violão
É um poço de malícia
É um caso de polícia
Roubou-me o coração

Aníbal Raposo
1999-01-27
Lisboa

terça-feira, novembro 23, 2004




A MÁSCARA E O ROSTO

De tanto tempo trazer
A máscara ao rosto afivelada
Temo já não saber adaptar o rosto à máscara,
Agora que é preciso, urgente,
Subir de novo ao palco
E contrapor o riso alvo
Ao mortal negrume da tragédia.

Lisboa
2003-07-01

segunda-feira, novembro 22, 2004



DOIS QUADROS DE ROBERTO CHICHORRO
SOBRE A PAREDE BRANCA DO FUNDO


A mulher olha a lua
Em suave melancolia
Enquanto um pássaro de oiro
Espalma as asas na cena de encantamento
Sobre vincadas tonalidades de azul.

Ao lado,
A máscara branca dum violinista
Que concentrado
Derrama sobre a tela uma harmonia triste...
Ainda dois pássaros doirados
Que se libertaram do quadro
E, desta vez,
Conseguiram fazer poleiro sobre a lua...

Galeria Arco 8
2003-04-11
Aníbal Raposo



FIM DE SÉCULO

Procuramos planícies de entendimento
Encontramos muralhas de distância

Já não sabemos rir
Os músculos da cara contraem-se
Em oportunos esgares a que chamamos riso

Perdemos toda a inocência
Compramos as amizades que interessam
Nos hipermercados das pequenas vaidades

Temos um mar chão
Deixaram-nos tão pobres que não o fruimos

Já não sabemos do cheiro
Do funcho, do incenso e da hortelã
Vendem-nos agora odores engarrafados a preços astronómicos
O burlão prospera...
O burlado é um tolo com status!

Como poderemos apreciar a singeleza das coisas
Se passamos por elas a duzentos à hora?

Não bebemos a natureza nos espaços abertos
Pagamos para utilizar passadeiras rolantes

Programamos os nossos momentos de amor
E a melodia dos nossos cânticos...

Aníbal Raposo
1999

domingo, novembro 21, 2004





NO DIA EM QUE O CÉU LHE CAÍU EM CIMA

No dia em que o céu se escaqueirou e lhe caiu em cima
Estava estranhamente calmo.

Conta quem viu que até gracejou
Enquanto assinava, como um sonâmbulo,
A sentença que ordenava o seu desterro.

Meia hora mais tarde,
A um canto da ilha,
Desceu às profundezas da cratera.

Contam os pássaros, suas almas gémeas
E guardiães das memórias da Lagoa Verde,
Que nem nos tempos em que a montanha explodiu em terríveis cataclismos
Se ouviram, como nessa hora, na Baía do Silêncio
Gritos mais roucos, soluços mais telúricos.
E que não consta que tenham caído vez alguma
Na superfície daquelas quietas águas
Lágrimas com tal teor de sal.

Contam, também,
Que, ali mesmo, jurou
Que, enquanto vivo fosse,
Nenhuma ave, a quem tivesse ferido por descuido,
Deixaria, alguma vez, por culpa sua,
De ter o ensejo de experimentar o golpe de asa
E de voar, em azul e plena liberdade.

Aníbal Raposo
2003-05-30





ÀS VEZES

Às vezes são palavras ao acaso e sem sentido
Que ferem como facas, como a ponta de um punhal
Às vezes solto a fera, vem à tona o animal
Que de tão feito à jaula já se esqueceu do rugido

Às vezes penso em ti e cai orvalho nos meus olhos
É quando a lua cheia deixa prata sobre o mar
Aí surge o poema, dá-me ganas de cantar
Mas cedo o meu navio fica preso nos escolhos

Às vezes dou por mim a gerir o dia-a-dia
Quando o cavalo louco quer voar campos afora
Às vezes, num repente, penso que é chegada a hora
Mas tal como nasceu morre o sonho em agonia...


Aníbal Raposo
1995

sábado, novembro 20, 2004


Wheat field with rising sun
Van Gogh

E DO VERBO

E do verbo, meu amor, nasceu o canto
Do sonho se destilou a poesia
E do riso tão feliz se fez um pranto
E duma flor macerada uma alegria

E da noite se fez a madrugada
E de um piscar de estrela um sol brilhante
E das coisas sem sentido, minha amada,
Nasceu a esperança, fugaz, por um instante

E duma lágrima vertida pelo canto
Dum olhar tão perturbado, tão tristonho
Nasceu, inesperado, um novo encanto,
A magia que renasce em cada sonho.

E da palavra simples a canção,
E da concha da fajã uma cidade,
E da raiz da vida uma ilusão,
E do jugo das cadeias, liberdade.


Aníbal Raposo
2003-06-21
















O SANGUE DO POEMA

Duas lágrimas correm
Redondas e breves
Sobre este rectângulo branco
Onde se joga o sonho

Duas gotas de água
Solução saturada do sal
Das emoções à solta

Recebe-as o chão-da-palavra
Generoso, outonado, leve

Em breve brotará do solo
Primeiro encurvado e tímido
Depois confiante e vertical
Um singelo feto

Se pertences ao clã hermético
Dos recolectores de sonhos
Tenta arrancá-lo rápido
Provavelmente sentirás as mãos húmidas
Do sangue do poema


Maio de 2001
Aníbal Raposo

Publicado no livro de poemas "Voos da minha fajã"




AIGUILLE DU MIDI

Eis-me no tecto da Europa, tão perto do céu,
A olhar o Monte Branco em todo o seu esplendor.

No pequeno terraço,
Que o progresso transformou noutra Torre de Babel,
Só tenho ouvidos para a tua voz, ainda sonolenta,
E para o canto dos pássaros negros que me sobrevoam.

Depois, na descida, já a meio da montanha,
Sento-me por uma hora, sobre um enorme bloco de granito
Polido pela erosão de degelos seculares.

Olho de novo a montanha majestática,
Meto as mãos na neve,
Lambo uma lágrima furtiva,
Encho os pulmões de ar puro,
E preparo-me para uma nova caminhada,
Desta vez às profundezas do meu pequeno inferno.

Sinto que voltarei, um dia, meu amor,
Nem que seja em sonhos,
Para apreciar contigo
A beleza deste Monte Branco
E altivez desta Agulha do Sul.


Aníbal Raposo
2003-06-08






GENEBRA

Bebi a água límpida dos Alpes
Em quase todas as fontes
Da cidade livre de Genebra.
De cada vez que o fiz,
Pensei em ti, meu amor...

Junto à ponte Mont Blanc,
No lugar onde nasce o Ródano,
Havia um cisne branco
Lutando, desesperadamente,
Contra a força da corrente.
A vida era o rio,
Eu era o cisne branco.
Pensava em ti meu amor...

Na ilha de Rousseau,
Depois de um dia calmo e solarengo,
Fendeu-se de repente o céu
Espantando o estio com uma chuva morna.
Juro que o vento assobiou nos plátanos
Uma canção para ti, meu amor...

Na cidade velha, junto à Catedral de S. Pedro,
Havia namorados, rindo,
Sentados em esplanadas floridas,
À luz amarelada de tochas de querosene.
A cada gesto que faziam, uma lembrança...
De que me recordava eu, meu amor?


Aníbal Raposo
Genebra
2003-06-06




POEMA NA MADRUGADA


Tu e eu na mesma hélice
Tu, muitas espiras acima
Que voas mais alto...
Cirandas à volta da lua feiticeira
Com as tuas asas de fogo
Incendeias-me o corpo
E em torrentes e lava
O meu amor flui
E como ela,
Em desespero,
Procura o mar...

Deixa-me dançar contigo uma dança índia
À volta da fogueira
Do nosso encantamento.
Deixa-me enlouquecer ao ritmo
Dum batuque africano
Transposto para um terreiro da Baía.
Deixa-me sentir os sortilégios
De Oxúm e de Oxalá.
Deitar, na praia, flores a Iemanjá.
Adorar a mãe Terra
Sentir-lhe o cheiro
Depois de uma chuvada de Agosto.
Eu quero ser, ao mesmo tempo,
Vinho e mosto.
Madrugada, sol nascente,
Entardecer e sol posto.

Curare.
Veneno na ponta da zarabatana.
Réstia de lucidez em mente insana.

Canta comigo irmã
A cantiga da terra prenhe.
Enforquemos as vaidades
Em gravatas ridículas
Confeccionadas em boa seda
E vendidas por um moderno bufarinheiro
Junto à catedral de Milão.

Deixa-me fundear nas tuas angras.
Ser o teu pirata argelino de estimação.
O teu bandeirante,
Buscando a esmeralda perdida
No meio do sertão.

Eu quero ser o desatino da tua insónia.
A tua noite mal dormida.
A tua cicatriz, a tua ferida,
Cauterizada com ferros ardentes.
Quero ser o teu ranger de dentes
Ante o desespero da miséria...
O teu grilo falante.
O espinho da tua rosa triunfante.

Deixa-me caboucar o sonho.
Construir castelos quiméricos.
Inventar outra arquitectura.
Redonda.
Quero esperar por ti
Na paragem do autocarro
Que vai partir, já
Para Nova Deli.

Quero ser uma luzinha ténue
Na via láctea noturna
Desta vida favelada.
Rocinha!
Rio e margem,
Voo picado
Pedra Bonita, pivete.
(Glória ao escrete!)
O poder está
Na ponta do canivete!
Ipanema...
Saravah! Irmão Vinícius
Poetinha do amor e do vício.
Aqui estou!
Dou-te razão:
A inspiração continua a estar
Bem no fundo do copo
E da alma.

Salvé musa minha
Habitante da ilha irmã.
Continuas a ser o meu luzeiro,
Estrela da manhã.
Por ti adoro Baco.
Por ti versejo.
Por ti faço charadas,
Num desejo
De te ter mais perto.
Sem ti sou um navio no deserto.
O profeta do caos.
Caruso a cantar na ópera de Manaus.
O porco nos joelhos do visionário Klaus Kinsky
Na epopeia de Fitz Carraldo.
O caldo
Da loucura...

Pura...
Heroína...
Menina...
Lua...


Aníbal Raposo
1997






POEMA PARA O MEU AMOR

Há voos de pássaros nos teus olhos castanhos de sereia
Batuques africanos no balouçar do teu corpo de gazela
Há frutos maduros na tumidez dos teus pequenos seios
E promessas loucas na humidade dos teus lábios entreabertos

Há como um tango argentino no desafio da tua cintura estreita
Há um doce encanto no urdir das tuas trancinhas de menina
Há estranhos sortilégios escondidos em tuas mãos de fada
E há rouxinóis magoados de cada vez que cantas

Há ondas de ternura neste teu jeito suave
E danças peruanas nas tuas ancas pela alba
Há calor dos trópicos no aperto dos teus braços tão sinceros
E uma paz das ilhas no teu macio leito de princesa

Há druidas, de novo, preparando filtros à sombra de carvalhos
E lagos privados onde nadam altivos cisnes brancos
E há luas de fajãs que riscam no mar trilhos de prata
E nascentes de água que brotam do teu riso cristalino.


Aníbal Raposo
Maré de Agosto de 2003
Dia 22
Santa Maria

quinta-feira, outubro 28, 2004



A PALAVRA ELEITA

Quem me dera ter a sageza de escolher,
de entre todas as palavras,
a palavra eleita.

A que,
por estranho sortilégio,
pudesse desenhar em traço firme,
como uma estrela que risca um céu de lua nova,
a evidência do meu amor por ti,

da forma mais singela, pura e escorreita.


Aníbal Raposo
Maio de 2001

Abertura





Servirá este blog como mais um veículo para dar a conhecer os meus textos, letras e poemas.
Aníbal Raposo