terça-feira, agosto 11, 2009


Vila Franca do Campo - imagem de Marta Raposo


A FORÇA DA RAZÃO


É isso a vida...


Por cada punhalada recebida à falsa fé;

Por cada janela de amizade que encerramos sofridamente,

Há pequenas alegrias espreitando, de inesperada forma,

Por detrás de enormes portões

que nunca sonhámos sequer entreabrir.


A surdez, irmão, às vezes é uma virtude…


Aos ataques soezes, tresloucados,

Às invejas mesquinhas e absurdas,

Respondamos com a sabedoria do silêncio.


É na tranquilidade das almas simples e sem mácula

Que descansa, em reconfortante sono, a força da razão.


Ponta Delgada, 2009-08-11

13 comentários:

  1. Muito bom Aníbal, "A FORÇA DA RAZÃO" acabará sempre por vencer, mesmo que em silêncio!

    Beijinhos,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  2. De tudo ficaram três coisas...
    A certeza de que estamos começando...
    A certeza de que é preciso continuar...
    A certeza de que podemos ser interrompidos
    antes de terminar...
    Façamos da interrupção um caminho novo...
    Da queda, um passo de dança...
    Do medo, uma escada...
    Do sonho, uma ponte...
    Da procura, um encontro!

    Fernando Sabino

    Hoje passei pra deixar um poema para refletir e desejar uma semana linda com muito amor e carinho.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  3. Nem mais, poema sábio, façamos da sabedoria que explanas, prática sadia: quem de inveja vive, de inveja hã-de rebentar. Vem nos livros e na sabedoria antiga. Caminhemos com o coração cheio de amor, de paz e de luz. Os que não suportam a luz, afastar-se-ão. Os que gostam dela de ti se aproximam. Não é preciso grandes preocupações: deixa o universo funcionar. Bom, tudo isto a propósito de um poema muito incisivo, verdadeiro e belo, e de uma foto magnífica de um local que eu já visitei, e que me ficou no coração. Desculpa, Aníbal, o meu silêncio, tenho andado pelas estrelas que me pedem algas e búzios, e tem sido muito trabalho.

    ResponderEliminar
  4. Hola cielo me encanto tu poema siempre hay que tener mucha fuerza
    un beso

    ResponderEliminar
  5. Oi Anibal
    Passei para agradecer a visita e de cara li um poema belíssimo.
    Uma lição de sabedoria.

    Passarei com mais tempo para ouvir os CDs. Canto também.

    bj
    Rossana

    ResponderEliminar
  6. "A surdez, irmão, às vezes é uma virtude…"
    Gostei. Um abraço.

    ResponderEliminar
  7. Muito bom voltar a receber tua visita e também voltar a ler o que escreves. A bondade e o amor trabalham no silêncio...
    Um abraço, ótimo final de semana

    ResponderEliminar
  8. Olá!
    Gostei muito de seu blog com posts inteligentes e belas imagens.Se quiseres me seguir, ficarei muito feliz e te seguirei também.Espero sua visita.
    BJKAS
    http://amigadamoda.blogspot.com

    ResponderEliminar
  9. Gostei...
    É o silêncio da palavra na mudez da razão!
    Ou palavra sem som para uma razão sem sentido.
    Abraço
    Sá Couto

    ResponderEliminar
  10. Passo para te dar um abraço e perguntar pela razão do teu silêncio!

    ResponderEliminar
  11. Olá Aníbal,
    Apenas para te dar as boas vindas de uma ausência bem justificada, parabéns pelos concertos e, a propósito de alguma coisa, acrescentaria que: burro aquele que se despede da tua amizade e que "Vozes de burro não chegam aos céus"

    Aquele abraço
    Alcina

    ResponderEliminar
  12. Olá, Marcia, fiquei encantada com este verso! Me lembrou um que escrevi há algum tempo atrás e que vou deixar aqui:

    Passarão todos os fatos
    pelos sentidos do corpo
    que já anda farto
    de um mesmo discurso torto

    Nesta vida que anda negra,
    passarão coisas em branco
    passarão todos os fatos
    de um mesmo discurso torto

    Pelos sentidos do corpo
    passarão todos os fatos
    de negras variações sem fim,
    claras metamorfoses do fim

    C.K.
    Um abraço,
    Cynthia

    ResponderEliminar