PORQUE CANTO

Canto.
E é impossível
prender a minha voz
nas correntes de aço
duma tendência qualquer.

Nasceu sem amos,
viverá sempre liberta
e livre partirá
quando este mundo,
fatalmente,
a esquecer.

Relva, 2015-05-14
Aníbal Raposo

Comentários

Mensagens populares deste blogue