sexta-feira, janeiro 13, 2017























QUANDO ME QUISERES FALAR DE AMOR

Sempre que este céu chorar de breu
fala-me ao ouvido de águas soltas.
Das que escorrem pelas muitas cicatrizes
que um dia a lava em fogo desenhou
no corpo verde e virgem
desta ilha.
Fala-me também de mares revoltos,
seduzidos pela lua e pelo vento.
Das ondas-véus-de-noiva a desabar
sobre o preto mistério do basalto.
De impulsivos abraços, apertados.
Dos cheiros sensuais
que há na maresia.

Por fim podes falar-me, meu amor,
Da quietude das águas das lagoas.
São espelhos que refletem tanta luz
como a que é derramada sem pudor
nos olhos soalheiros
dos amantes.

Relva, 2016-01-13
Aníbal Raposo

2 comentários:

Graça Pires disse...

Um excelente poema! Gostei imenso.
Uma boa semana.
Beijos.

Aníbal Raposo disse...

Obrigado amiga.
Boa semana.
Beijos.