sexta-feira, agosto 27, 2010



QUEM TE DISSE

Quem te sugeriu que atentasses bem ao círculo da vida
Porque não há sucesso ou mal que sempre permaneça?
Quem te disse para nunca amares o poder só pelo poder
E que fosses lesto no agradecer e lento no protesto?

Quem te alvitrou que a vida é bela mas um risco permanente
E que quem o compreende e assimila cresce e se humaniza?
Quem te disse para não remoeres constantemente as tuas mágoas
E gozares daquilo que é presente pois que é dádiva dada do mais alto?

Quem te propôs seres insubmisso e forte em tua mente
E praticares a arte de duvidar do que facilmente te é doado?
Quem te ensinou que somos treinados para ser obedientes servos
Do nosso eu, terreno íntimo onde devemos ser senhores?

Quem te lembrou que o silêncio é de ouro e oração dos sábios?
Que quando te calas mantens a dignidade face à injustiça?
Quem te disse que a capacidade de te entenderes, saberes de ti,
Não se aprende nos bancos da escola mas calcando o pó da estrada?

Quem te aconselhou a te sentires bem na tua pele
Já que és um mero viajante na estrada do tempo?
Quem te disse que devias celebrar a tua breve existência
Como se assistisses deslumbrado ao maior espectáculo da tua vida?


Ponta Delgada, 2010-09-03

13 comentários:

tossan disse...

Quem te inspirou para escrever tão bonito assim?! Abraço

Maria Valadas disse...

Anibal,
Um bom momento de poesia/ reflexão, em que as questões apresentadas são verdadeiras inspirações de um Ser com muita vidência perante a vida.

Bem- Hajas!
Beijo

Maria

Eduardo Aleixo disse...

É um poema lindo ditado pela sopro calmo, seguro e ardente da tua alma contente! Sabes que quem escreve assim já aprendeu com a brisa e o silêncio, a dor e as festivas alegrias, o pó dos caminhos e a seiva das estrelas...Quem escreve assim já alguma vez abriu o tecido das cortinas e espreitou para o fundo das rochas e seguiu os braços das algas dizendo vem ouvir o mar. Quem escreve assim sabe da universidade da terra, dos becos, dos olhares silenciosos, dos gritos abafados, dos sonhos com armas nos dentes, da junção do corpo com o corpo do universo, do casamento do número com a letra, da lava com a voz profunda e misteriosa da criação de que fazemos parte. Belo poema o teu. E o nosso, este de estarmos vivos.

© Piedade Araújo Sol disse...

concordo com o texto, a vida tem sempre um risco..

beij

Lídia Borges disse...

Belo texto!

Isso!... Quem nos enche de conceitos pré-fabricados que nos levam ao egoísmo e ao desprendimento, à incúria e ao desleixo?

Um beijo

Paulo Enes da Silveira disse...

Bravo Aníbal, pelas tuas reflexões a que eu junto: Quem te disse que a via terráquea da nossa existência é seres aprendiz da tua Mestria (do teu EU). Grande Abraço.

Paulo Enes da Silveira disse...

Bravo Aníbal, pelas tuas reflexões a que eu junto: Quem te disse que a via terráquea da nossa existência é seres aprendiz da tua Mestria (do teu EU). Grande Abraço.

Vieira Calado disse...

E não É?

Um forte abraço

Multiolhares disse...

Lindo o teu poema, "QUEM TE DISSE"
penso que ninguem nos diz,é algo que se sente que como uma flor vai desabrochando e se mostrando para nós
Bj

LOURO disse...

Olá Anibal!

Lindo!!! (QUEM TE DISSE),é um poema
sublime...Parabéns!!!
Abraço ,
Lourenço

tecas disse...

Belissimo texto. Cheio de interrogações lógicas e reflexões.
Uma saudação num aplauso merecido.
Abraço amigo

Graça Pires disse...

Quem nos disse que as palavras não obrigam a pensar? Obrigada, amigo.
Um beijo.

Nilson Barcelli disse...

Andamos presos a ideias pouco eficazes para uma vida realmente a sério, mas sem a levarmos muito a sério...
Magnífico poema, caro amigo. Gostei imenso.
Abraço.