terça-feira, setembro 06, 2011



AS PALAVRAS ESTÃO A MONTE

Às vezes as estrelas são tão poucas...
Não ocupam o espaço que há no céu
De alegria que é o nosso amor.

Às vezes os navios são escassos
Para navegarem em todas as rotas
Do mar oceano das nossas emoções.

Às vezes os arados são tão parcos
Que não abrem os sulcos necessários
Na terra virgem do nosso encantamento.

Às vezes não se encontram as sementes
P'ra semearmos em húmus criador
A esperança do futuro que sonhámos.

Às vezes procuramos palavras fugidias.
Andam a monte por amor à liberdade.
Não cedem à prisão que é o poema.

Ponta Delgada, 2011-09-06

2 comentários:

Paulo Enes da Silveira disse...

Há o Amor e a Inspiração andam de braço dado... Lindo. Abraço

antonio oliveira disse...

os poetas teem uma linguagem dificil de se compreeder por causa do simbolismo temos que ter o sentimento de poeta para se poder entender hoge em dia as pessoas gostam das coisas claras com menos trabalho para a mente mas nao te preocupes porque os poetas sempre sao entendidos por outros poetas continua o bom trabalho