quarta-feira, junho 28, 2017



















ETERNIDADE

Os dias caem no chão
na voragem do tempo maduro.

Os ciclos fecham-se sorrateiros
na aragem dum adejar de corujas.

Só o teu riso permanece eterno
parecendo desafiar o inevitável.


Relva, 2017-06-28
Aníbal Raposo

2 comentários:

Graça Pires disse...

Uma bela fotografia e um excelente poema. Gosto da nova cara deste seu espaço.
Beijos.

luna luna disse...

sâo os sorrisos que nos mesclam a alma

Gosto de te reinventar em cada esquina do meu pensamento. De te pintar com as cores da tua luz. A que os prismas da ...