segunda-feira, março 15, 2010



ALAMBIQUE

Despeja-se no pote alado
e de redonda forma,
trinta litros de emoções diversas.

Aquece-se o dito volume líquido
em lume brando.

(Um pôr-do-sol visível
através da janela da sala
do destilador aprendiz, pode ajudar...)

Algum tempo depois,
quando a lembrança daquelas emoções
atinge a temperatura indicada,
começam a soltar-se algumas lágrimas
e, pela pela cabeça de turco,
palavras etéreas, sem muito nexo,
bastas vezes misturadas com raros vapores etílicos.

Tais palavras,
arrefecidas pela água fria da razão,
que deve fluir de forma continuada
para o interior do vaso cilíndrico,
acabam por condensar-se
na serpentina.

Escorre, então,
pelo fino bocal do citado vaso,
um aromático destilado.

Deve pensar, seriamente, se quer aproveitar
os primeiros dez por cento do líquido.

O resto poderá ser poesia.

Não será capaz, no entanto,
de controlar a essência alambicada
com um pesa-afectos,
pois que de tal instrumento,
ainda que por muitos desejado,
não consta a existência.

O resultado, depende apenas de duas coisas:
- da arte de operar o alambique;
- da qualidade das emoções vividas.

Ponta Delgada e Lisboa, 15 de Março de 2009

18 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Fantástica analogia Aníbal. Adorei, parabéns.
Grande abraço

Paula Raposo disse...

Há tempos que não vinha aqui. Gosto de te ler.
Beijos.

quiron disse...

Querido amigo,

destilámos memórias e futuros, e a serpentina mais uma vez nos envolveu no seu doce vapor.

A.S. disse...

Anibal,

Grato pela sua presença e pela bondade das suas palavras.

Um abraço!
AL

Graça Pires disse...

"O resto poderá ser poesia." De facto...
Beijos.

© Piedade Araújo Sol disse...

gostei do poema.

e o resto pode ser poesia.

bem escrito!

beij

AFRICA EM POESIA disse...

Aníbal

Lindo Alambique...
Adorei a poesia e vou voltar temos muita poesiapara partilhar.
Meu amigo
Nete correr de tempo o tempo de te mandar um beijinho.


Beijos

lupussignatus disse...

a exalação

e

a exaltação


[do perfume
dos afectos]


*abraço*
*grato pela
visita*

tossan disse...

Isso é muito profundo e para se pensar mais. Você sabe e é poeta dos bons. Abraço

maré disse...

fermentar
desmesurada
mente
os sentidos

o que escorre
é seiva!

_____

um abraço

Marta Vasil disse...

Encantada com este poema "cientifico e químico". Que gosto lê-lo e que imaginação!

Beijo

Ana Martins disse...

Uma sublimação da poesia... esplendido!!!!

Beijinhos,
Ana Martins

Dani disse...

oiii!
como vc está??
eh bom passar por aqui neah
:)
disposição pra escrita!
muito bem^^

beijoss

Eduardo Aleixo disse...

Amigo: gostei de te ler.
Olha: vai ao meu blog, que tenho lá um presente para ti. Bom fim de semana

Débora Canez disse...

Olá!! Seu blog é dez. Continue escrevendo belamente.

Bjs

Maria Valadas disse...

Anibal,

Bom momento este em que te li.
Foi um prazer reler-te ao destilar aqui as minhas memórias.

BOA PÁSCOA.

Beijos.

Lídia Borges disse...

Destilador de metáforas! De um lado poesia de outro as emoções...

Um prazer, esta leitura.

Alcina disse...

Bem vindo Aníbal!
Tens andado um pouco arredado destas bandas e isso afasta-nos. Sem dar-mos conta começamos a navegar outras águas ...
Deixemos então escorrer as emoções e os afectos rumo à poesia.
Beijos
Alcina

Gosto de te reinventar em cada esquina do meu pensamento. De te pintar com as cores da tua luz. A que os prismas da ...