sábado, maio 01, 2010



1.º de Maio de 1974

Enchia a praça um maremoto de alegria,
Brilhava o sol em nossos olhos espantados,
Pelas varandas ledos acenos, aliados,
Por fim Abril no mês de Maio florescia.

Era a poesia, o canto à solta na cidade,
Uma folia que, em verdade, não mais vi.
Foi nesse dia, em verdes anos, que entendi,
O sabor único da Santa Liberdade!

Ponta Delgada, 2010-04-01

19 comentários:

Maria disse...

Foi uma semana em que andámos 'anestesiados'. Quantas vezes me belisquei para acreditar que era verdade...
O primeiro 1º de Maio não se volta a repetir. Nunca mais. Mas é nossa obrigação comemorá-lo todos os anos, fazendo de Maio todos os dias...

Um abraço

Lara Amaral disse...

Bonitos poemas!

Obrigada pela visita.

Abraços.

Sônia Brandão disse...

Seu poema tem cheiro de cravo e sabor de liberdade.

bjs

Inês disse...

Que coisa, todos os blogs de portugal estão citando a mesma ocasião...
Belíssimo poema, querido amigo músico. Merecia um samba!
Um beijo!

Eduarda disse...

«era a poesia,o canto à solta na cidade,uma folia que,em verdade,não mais vi»

Como são fiéis estes versos que se reportam a um tempo que fora de Maio-o 1º de Maio-e que deixou de se «ouvir».
Poesia,canto e folia,que vos fizeram?

Bonito poema,Aníbal.E bonito este blog.Vou começar a visitar-te.Estamos vivos!!!

José Carlos Brandão disse...

Abril é o mais cruel dos meses, para Eliot, mas para os portugueses é a planta que floresce em maio. Parabéns a Portugal. Meu coração exulta com os portugueses.
Grande abraço.

© Piedade Araújo Sol disse...

quadras bem rimadas a lembrar uma data memoravel.

beij

boa semana!

VANUZA PANTALEÃO disse...

Pena que estou saindo de férias, Aníbal. Mas voltarei se assim o permitir. Gostei demais do seu estilo.
Beijos!!!

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Aníbal
Obrigado pela visita ao meu blog e pelo comentário. Quando puder volte, vou gostar muito.
Estou te seguindo
Grande abraço

Sonia Schmorantz disse...

Um belo poema para este dia tão especial!
abraço

tossan® disse...

Poema lindo que liberta, mas depende de quem ler. Abraço

quiron disse...

Foi um tempo,longe. E a maré está de novo a encher... e mais uma vez, a maré se vai levantar.Maré alta.

Graça Pires disse...

Inesquecível. O sonho, a liberdade e a poesia de mãos dadas.
Um abraço.

Sandra Botelho disse...

Gostei daqui e de teus escritos.
te sigo. bjos achocolatados

Marta Vasil disse...

Eu diria mesmo que Abril e Maio se fundem...
E Maio não pode ser data apenas e calendário, há que dar-lhe a comemoração que ele merece por aquilo que ele foi.

Pequeno poema, mas tão grane de sentido!

beijinho

Nilson Barcelli disse...

Também não mais vi um 1º de Maio como o de 74.
Parabéns pelo poema, achei-o excelente.
Abraço.

Vieira Calado disse...

E o desfile é em Ponta Delgada?

Espanto meu.

Tanta gente!

Um abraço

Aníbal Raposo disse...

Meu caro Vieira Calado, estudei no continente durante 5 anos. Assisti e vivi tudo.
Abraço

maré disse...

há memórias que borbulham

com o clamor de tantas vozes

com o rubor que se incendeia

de crença e esperança.