quarta-feira, novembro 17, 2010


(foto: Sónia Nicolau)


DIA NA FAJÃ


Acorda mulher

Que já é manhã

Um canário canta

E enche a fajã.


É levantar cedo

Que a faina é comprida

Mexe-me esses ossos

Termina uma vida.


O sol está a pino

O calor aperta

Pios de milhafre

Falésia deserta.


E tu meu amigo

Afoga esta mágoa

A maré está cheia

Marrecos p'ra água.


Logo ao fim da tarde

Faz maré vazia

Vai pedir um laço

À casa da tia.


Vê lá não me enredes

Em conversas-teia

É que as duas manas

Já estão à moreia.


Depressa p’ra poça

Vai a minha equipe

Que existe uma taça

Aqui em despique.


Carrega no engodo

Despe-te que suas

Já sabes que a taça

É sempre p’ras duas.


Chega o fim do dia

Sem fumos nem carros

Ouve a sinfonia

O som dos cagarros.


Cara sem vergonha

És mesmo um cachorro

Não me ouves gritar

Ai Jesus que eu morro?


Ti Mané Caroucho

A coisa está feia

Dizem que já nascem

Bananas na areia.


Olha, não me digas...

Arreda! Demónio!

Dessa qualidade

Só tem o Sidónio.


Venho p’ra folia

Que não tenho sono.

Não me digas que esta

Rocha não tem dono...


Peixe no braseiro,

Hora de jantar,

Se és bom companheiro

Vem aqui cantar.


Vem aqui cantar

Nesta noite bela

Mas vais amarrar

Primeiro a cadela.


Não te preocupes

Já está amarrada

Não pega em ninguém

Aqui da latada.


No escuro da lua

Solta os teus desejos

Acende o farol

Vai aos caranguejos.


Com vento do sul

E um breve aguaceiro

Leva um saco grande

Vais ser o primeiro.


Ouve rapazinho

Já arranjei o saco

E vou-me aos fidalgos

P’ro pé do Buraco.


Depois da apanha

Se estiveres gelado

Passa cá em casa

E toma um abafado.


Toma um abafado

Que fugiste à selva

Num dia passado

Na Rocha da Relva.


Relva, 17 de Novembro de 2010

Nota:

Esta é uma cantiga ao gosto popular, escrita em código rocheiro (falar dos utilizadores da fajã da Rocha da Relva), que será gravada no meu próximo CD.

9 comentários:

Marta Vasil disse...

Bem ha Aníbal por dar voz à poesia popular que por vezes é tão desprezada, quando para mim merece o maior respeito; é uma poesia simples, mas em que se cruzam de forma intensa experiências de vida com as emoções consequentes. E para quando nos chega esse CD?
Um beijo de admiração.

rosa-branca disse...

É linda mas não conhecia. Beijos

Graça Pires disse...

A poesia ao gosto popular é a mais gostosa para ser cantada. Gostei imenso.
Beijos.

Nilson Barcelli disse...

O POEMA VAI DAR UMA BOA CANÇÃO, POR CERTO.
GOSTEI, CARO AMIGO.
UM ABRAÇO.

Aníbal Raposo disse...

Hoje estive em estúdio a gravar a melodia e a voz guia para a música. Acho que vai funcionar. Estou feliz. Beijos e abraços.

Amadeu Paes disse...

Belo poema, li nos cometários que vc vai musicá-la, parabéns

Ana Martins disse...

Boa noite Aníbal,
ficou linda, muitos parabéns!


Beijinhos,
Ana Martins
Ave Sem Asas

Manuel Matias disse...

Saudades da rocha
me trouxe esta poesia
do mar e das marés
prós lados da Araucária

te louvo meu amigo
Anibal Raposo
pelo teu versar
e cantar melodioso

Ana Loura disse...

Afinal não sou apenas eu a ter saudades da Rocha...é um sítio único e tu traduzes tão bem isso. Não consegui interpretar todo o "dialecto", mas entendi muita coisa. Tenho saudades dos cagarros ao anoitecer.
Beijo