sexta-feira, fevereiro 24, 2012



A MAHATMA GHANDI

Procura ser com o bambu
Que se ergue aprumado, forte,
E solidário no meio do canavial.

Guarda sempre
No sótão da tua memória
A imagem de cada vento ciclónico
Que por ti passou.

Lança fundo as tuas raízes
Para te manteres ereto
E verga à força bruta
Apenas o necessário,
O suficiente.

Verga.
Nunca quebres.

Aníbal Raposo
2012-02-25

3 comentários:

tossan® disse...

Rapaz! Que coisa linda! Você não é só poeta é algo mais que não sei explicar agora. Abraço

Aníbal Raposo disse...

Obrigado Tossan pelas suas palavras. Mandei o poema como prenda à minha filha que está numa ONG na Guiné-Bissau. Fiquei igualmente muito feliz por ela ter gostado.
Abraço.

Sylvia Rosa disse...

Serdes todos como bambús que se vergam, mas que não quebra nuca... carvalho! bj... é tudo lindo por aqui!