quinta-feira, novembro 01, 2012



















AOS PRESENTES

Partiram?
Quem partiu?
Os que largaram amarras
São os que continuam firmes
Para nosso alento
Bem aqui ao lado.

Partiram o quê...
Na verdade
Só se parte
Quando se entra,
De forma perene,
No soturno vale
Do esquecimento.

Partiram?
Para onde?
Não me basta cerrar
Os olhos por breves segundos
Para os rever tão vivos
Mesmo à minha frente?

Partiram?
Porquê?
Quiseram libertar espaço
À formosa árvore
Da aprendizagem
Para estender os ramos?

Partiram?
Como?
Se com eles continuo
A partilhar diariamente
Cada singela dúvida
Da minha existência.


Aníbal Raposo
Relva, 2012-11-01
(em véspera de Finados)

2 comentários:

  1. Será que partiram?
    Ou que ainda cá estão?
    Por mim não sumiram
    Pois alas abriram
    No meu coração.

    Lindo poema com aroma de saudade. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  2. Quando perdemos raízes
    E noutro patamar as pomos
    Não é por ser infelizes
    Que revemos o que somos

    É tudo o que recebemos
    Ter um sentido profundo
    Pelo fato de parecermos
    Suas raízes no mundo.

    Omaia

    ResponderEliminar