domingo, janeiro 04, 2015



















ELOGIO DA CHUVA

Não gosto de desertos
Desses lugares estéreis e inóspitos
Onde se faz o pranto às novidades
E não se fantasiam notícias redentoras.

Ao invés, gosto de caminhar, serenamente,
À descoberta dos altos cumes das montanhas
Onde se tecem gestações de tempestades
De rios impetuosos e de chuvas criadoras.


Relva, 2015-01-04
Aníbal Raposo

Sem comentários: