segunda-feira, dezembro 01, 2008



DA VAIDADE HUMANA
(VANITAS VANITATUM, ET OMNIA VANITAS)

É sempre junto ao mar,
perto da sua bela e incomensurável superfície azul,
que o meu turbulento espírito encontra a paz.

Só de o olhar descanso,
assim, como se entrasse de repente,
num reconfortante e sedativo sono.
Retempero-me logo do violento esforço que despendo
para resistir à sucção voraz do cavado vórtice
da vivência frenética, estúpida, sem sentido,
para onde a turba me impele, dia-a-dia.
 
É, também, no escuro da noite,
na pacatez do terraço da minha casa da fajã,
que mantenho o saudável hábito de sonhar acordado.

Às vezes, 
reclinado na minha cadeira de repouso, 
imagino que piloto a terra-nave,
e a levo a sondar cada luzeiro
que habita a imensidão dum céu de Agosto. 

Nessa minha viagem faz-de-conta,
perdido, algures, nos confins do universo, 
consigo ponderar, com fina exactidão, 
a minúscula, a ridícula pequenez
da futilidade humana. 

Ponta Delgada, 1 de Dezembro de 2008
Aníbal Raposo

6 comentários:

Paula Raposo disse...

Sem dúvida!! Um poema forte e muito belo. Beijos.

Maria Valadas disse...

Escrito com o sentir do coração.
Adorei o seu mar!

beijo

Paula Raposo disse...

Eu já colaborei em vários livros colectivos e este é o meu 2º de poesia. Acho muito bem. Isto resposta ao teu comentário e como não sei o teu email, fica aqui. Peço desculpa. Beijos.

Sonia Schmorantz disse...

O mar sempre será inspiração, porque diante dele somos grãos, e não há furia ou desencanto, que diante dele não se dilua em gotas, trazendo serenidade ao espírito inquieto de um poeta.
Boa semana, um abraço

☆Fanny☆ disse...

Que encanto de poema!

Também eu adoro o mar. Confesso que me deixo embalar pelas suas melodias e mergulhar nas águas do sonho.
É bom sonhar acordada e transportar esses sonhos numa onda de papel.

Um abraço de mar*

Fanny

superior disse...

rizhi360
clash687
banner486
bingdao100
maoliqiusi