domingo, fevereiro 01, 2009



DA ACENTUAÇÃO

Já não falo de não terem vincado
no nato volume, o i de minha graça,
que a língua lusa e, já agora, eu,
vá lá saber-se por que vão capricho,
fazemos questão que seja acentuado e grave. 

Dir-se-á que foi um lapso,
falta de atenção e de tempo disponível.

Pois bem, não quero lançar anátemas:
aceito e acredito que assim tivesse sido.

No entanto,
na minha provecta idade
tenho como dado e provado
que todas as acções obtêm sempre o tempo preciso
que estamos pré-dispostos a dispensar-lhes.

Acentuo, porém, com amizade
mas com acento muito grave,
não ter sido desenhado o tempo e o espaço
para conhecermos e distribuirmos abraços cúmplices
aos diversos pais e mães
da cópula feliz
que gerou a criança linda
que ontem nasceu
no Onda Jazz.

Lisboa 2009-02-01
Aníbal Raposo

3 comentários:

Ana Martins disse...

Parabéns pelo texto e pela sensibilidade com que o escreveu!

Beijinhos,
Ana Martins

Eduardo Aleixo disse...

Estamos de acordo, amigo. A Organização não criou as condições mínimas necessárias para que os autores dos poemas se pudessem contactar devidamente.
Ficou-me essa tristeza. Mas foi bom nós os dois termos falado. E também com a Fernandinha. Mas foi pena. Um abraço.
Eduardo

superior disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

Gosto de te reinventar em cada esquina do meu pensamento. De te pintar com as cores da tua luz. A que os prismas da ...